Fumaça das queimadas e Covid deixam rastro de vítimas do sul do Amazonas ao Acre

“Eu perdi meu irmão e minha irmã no intervalo de 3 meses. Essa é uma doença que eu não desejo nem para o meu pior inimigo”. O relato da técnica de enfermagem Regina Célia Diogo, 53, indica a conexão sorrateira entre queimadas e o agravamento dos casos de Covid-19 no sul do Amazonas.
Leia mais (08/23/2021 – 16h00)